Coreia do Sul começa o ano com aprovação de aborto

04/01/2021

No dia 1º de janeiro, foi retirada na Coreia do Sul, a lei que criminalizava o aborto, passando então ser livre para todas as mulheres o que antes só era permitido em caso de estupro ou de risco de saúde da gestante.

A Coreia do Sul é conhecida como tradicional embora muito avançada em tecnologia. Até então, mulheres que incorressem em tais práticas poderiam pegar um ano de prisão e multa, enquanto que ao médico que o fizesse ficaria sujeito a dois anos de prisão.

O cristianismo, principal corrente contra a prática do aborto, é fraco no país. Mesmo assim, os bispos católicos afirmaram "A decisão nega aos embriões, que não têm a capacidade de se defender, o direito à vida".  O movimento pró-vida está se organizando para a solicitação de oito emendas para proibir o aborto depois de seis ou dez semanas de gravidez e ainda para que os médicos tenham a opção de recusar a realização do aborto.

Ao contrário da Argentina, que aprovou o aborto com festa e estardalhaço, na Coreia do Sul foi algo mais discreto, mesmo porque não foi a aprovação de uma lei e sim a retirada de uma leia que o proibia.

De toda maneira, por um lado, as feministas fizeram a festa, pois são declaradamente contra a família. Enquanto que por outro conservadores viram o fato com muita preocupação.

Existe um real perigo de aprovação de aborto por todo o mundo entre os países que ainda não adotaram tais práticas, que são a maioria. Isto porque o comunismo, atrelado ao feminismo e várias outras correntes de pensamentos esquerdistas estão se instalando rapidamente até mesmo em países de governos de direita e conservadores.

No Brasil, por enquanto, com o governo Bolsonaro, conforme ele mesmo já prometeu, essa prática não tem a menor chance de aprovação. Entretanto, sabe-se perfeitamente, que se dependesse somente do Congresso e STF certamente o aborto viria com rapidez.

A esperança dos brasileiros contra essa prática de assassinato de crianças é manter Bolsonaro no governo por mais quatro anos e depois eleger alguém de direita que tenha o mesmo zelo pela vida. Tudo depende então da população, estar esclarecida e madura o suficiente para entender que pensamento de esquerda é só morte e destruição moral e física. (Leonardo Bezerra)