Jovem holandesa de direita encanta o mundo com seu discurso contra o feminismo

03/01/2020

Jovem holandesa de 23 anos, doutora em filosofia jurídica é sensação da direita na Holanda e deixa a esquerda perplexa. Eva Vlaardingerbroek com sua inteligência, carisma e beleza veio para dar um banho de simpatia e sabedoria em contraste com o ódio que irradia da sueca Greta, da esquerda. Algo como comparar Bolsonaro a Lula.

Para se ter uma ideia melhor dessa jovem, é preciso um conhecimento básico da Holanda. Conhecida como a terra dos canais e dos moinhos de vento, um país belíssimo no que tange ao meio geográfico, entretanto socialmente a coisa é diferente. É o pais mais avançado do mundo no que se refere a liberdade. Isto implica que por lá as drogas são livres, possíveis de serem compradas em qualquer farmácia. 

A questão da sexualidade é outro tópico relevante naquele país livre. A prostituição oficialmente organizada e todas essas outras mazelas de esquerda como aborto, falta de religião, liberdade LGBT total, feminismo, ideologia de gênero e muito mais fazem a festa da esquerda que domina por lá.

Pelo enumerado já dar para se ter uma ideia do que representa ser de direita na Holanda. É praticamente ir contra a corrente. Mais ainda em se tratando de uma jovem num meio em que o feminismo é acirrado.

Eva Vlaardingerbroek, veio causar pânico na esquerda a partir de uma palestra em um congresso político do partido de direita holandês, o "Fórum pela Democracia", em Barneveld. Sua defesa brilhante dos valores de direita principalmente tocantes ao feminismo pegou a esquerda desprevenida, pois jamais poderiam supor que discurso tão brilhante pudesse vir de uma jovem. 

Embora tenha falado para 2500 pessoas em seu discurso, sobre a desvantagem do feminismo contemporâneo, isto se espalhou pelas redes sociais e logo sua vida virou um inferno com os ataques de esquerda.

Quase que de imediato, a mídia esquerdista já lhe lançou alguns apelidos como "princesa ariana", "serva da direita radical" e "nacionalista branca".

Seus pais, músicos da rádio holandesa e conservadores, a criaram num ambiente diferente do mundo de fora que há anos vem sendo consumido pelo modernismo exacerbado da esquerda. Assim, esses valores aprendidos em casa mantiveram a jovem ligada aos valores morais. Algo extremamente difícil principalmente para quem frequenta as universidades.

O debate social é o que mais lhe atrai. Por isso escolheu estudar a área da Filosofia do Direito. Na política, está apenas começando, embora já tenha despertado a ira da esquerda e dos progressistas da Holanda. No momento está fazendo um estágio no grupo do partido holandês de direita, Fórum para Democracia, no Parlamento Europeu.

Eva e Greta, da água para o vinho. É o que se poderia dizer em todos os aspectos. Nascidas em países de certa forma parecidos, pois a Suécia da Greta é também extremamente livre. Mas o divisor de águas é que Greta é apenas uma adolescente usado por interesses multimilionários que praticamente colocam as palavras em sua boca, enquanto que Eva tem personalidade, inteligência e carisma.

Enquanto que a esquerda se encanta com a dureza e mentiras de Greta sobre o meio ambiente, bem definido por Bolsonaro como "pirralha", as jovens de direita agora tem inspiração numa bela e simpática jovem holandesa que faz a diferença e serve de exemplo para milhões de pessoas em todo o mundo, que acreditam que pode haver um mundo melhor longe de todos os males do comunismo de esquerda. (Leonardo Bezerra)