O Brasil respira aliviado; fim do império Rodrigo Maia

02/02/2021

Por Leonardo Bezerra

É o fim de um pesadelo que durou quatro anos no Brasil. Finalmente o poderoso e maior traidor da pátria, Rodrigo Maia, sai pela porta dos fundos de um lugar no qual nunca deveria ter entrado.

Durante pouco mais de dois anos do governo Bolsonaro, Maia não fez outra coisa que não fosse conspirar para derrubar o governo e brecar de todas as maneiras possíveis o crescimento do Brasil.

Maia entrou para presidente da Câmara dos deputados por acaso, aproveitando-se de uma brecha quando em 2016 Eduardo Cunha renunciou ao cargo. Na ocasião, Maia articulou um tal de "mandato tampão" de presidente da Câmara, coisa de que ninguém nunca ouvira falar.

Já naquela primeira gestão de Maia, ficou bem claro seus propósitos; seus constantes esforços de sabotagem de reconstrução do Brasil. Calcula-se que mais de R$ 300 bilhões em renúncias que agravam o déficit das contas públicas e atrapalham a ação do Governo Federal vem dos conchavos de Rodrigo Maia.

No ano de 2017 ocupa novamente a Presidência da Câmara atropelando a Constituição Federal em seu artigo 57, parágrafo 4º, além do Regimento Interno da Câmara.

Em 2019, atropelando novamente a Constituição Federal, o pequeno imperador do Brasil se reelege, dessa vez já disposto a tornar a vida governo Bolsonaro num inferno.

Das várias MPs engavetadas e outras não aprovadas por seus conchavos com suas bases na Câmara, algumas se destacam. Por exemplo na ocasião da primeira reforma da Previdência. A equipe econômica havia proposto que os idosos carentes com idades entre 60 e 65 anos, receberiam um auxilio individual de R$ 400, que seria escalonado até um salário mínimo, aos 65 anos. Na época cada idoso recebia R$ 89 do Bolsa Família. Se a proposta não tivesse sido sabotada, hoje cada idoso carente estaria recebendo R$ 800. Mas como esse mérito viria para o governo Bolsonaro, ele fez questão de não deixar o projeto ir adiante.

Mais recentemente, foi engavetada também, entre outras, a MP que levaria o 13º salário ao Bolsa Família. Essas pessoas carentes ficaram sem esse importante auxilio por culpa de Maia.

Enfim, é até difícil de enumerar todas as maldades de Maia. Além do engavetamento e a tentativa de colocar os deputados contra o governo Bolsonaro, tentou até mesmo a ideia de um parlamentarismo no Brasil. Quem não se lembra de suas andanças pela França e Espanha em busca de apoio e conhecimento para um regime parlamentar, onde certamente, ele seria o primeiro ministro?

Esse traidor é também conhecido pelo uso dos jatinhos da FAB e por inúmeras outras mordomias mesmo em época de economia por motivo dos gastos do governo com a pandemia.

Inconformado por deixar o poder, ainda fez inúmeras tentativas de deixar um sucessor, que certamente seguiria sua linha esquerdista na tentativa de derrubar Bolsonaro. Mas seus planos foram em vão pois perdeu o apoio até mesmo de seu partido.

Mas enfim, seu reinado chegou ao fim, exatamente em 01 de fevereiro quando Arthur Lira assume o cargo trazendo grande alívio para o Brasil. Acabou a tortura levada aos parlamentares, ao governo Bolsonaro e ao povo brasileiro, que certamente nunca esquecerão dessa pessoa que traiu a confiança da nação e que agora só merece a indiferença e o ostracismo. (Deixe seu comentário e compartilhe).